Início Artigos Especial A História do...

A História do Mega Drive – Parte II

37
0
COMPARTILHAR
história

Atacando o mundo

Mega Drive saiu para o mundo primeiramente nos EUA, onde foi lançado no dia 14 de agosto de 1989, quase um ano depois do seu lançamento no Japão e lá teve que trocar de nome, possivelmente por conta de disputas de marca. Assim a SEGA optou por usar SEGA Genesis nos Estados Unidos.

Uma das pessoas chaves para o lançamento do Mega Drive em terras gringas foi Michael Katz, antigo presidente da Sega of America (SoA), no qual ele relata:

“Cheguei na empresa um mês após que o Genesis foi lançado. A companhia era pequena (menos de cinquenta pessoas) e por lá já haviam passado três presidentes, se eu não me engano (Gene Lipkin, Bruce Lowery) nos tempos do Master SystemDave Rosen – Vice Presidente da SEGA (e fundador original), observava de longe o andamento da companhia. Eu me reportava diretamente com ele e com o Nakayama no Japão. A SoA era, basicamente, uma distribuidora da SoJ (Sega of Japan) nos Estados Unidos. Todo o desenvolvimento de Hardware e Softwarese dava no Japão. Eu, inicialmente, tinha de deixar os empregados felizes, determinando a qualidade da equipe e, assim, começar o grande embate entre SEGA vs Nintendo.”

Chegando após o lançamento americano, Katz não estava ciente do porque da mudança do nome Mega Drive para SEGA Genesis. O consenso, como dito acima, teria a ver com disputa de marca, muito possivelmente de uma empresa americana de disquetes na época conhecida como Mega Drive Systems Inc.

E caso alguém tenha interesse segue link acerca da marca da empresa.
https://www.trademarkbank.com/trademarks/74208711

Registro de logo da empresa MegaDrive Systems

Katz ainda falou um relato interessante sobre o futuro lançamento do Genesis nos EUA:

“Posso dizer a vocês que foi oferecida para a Atari o Sega Genesis (quando eu era Presidente da Divisão de Jogos da Atari) e Jack Tramiel recusou. Aquilo teria colocado a Atari de volta na disputa com um sistema de 16 bit em sua alçada. Eu fui ao encontro na Atari quando Dave Rosen (presidente na época) nos visitou (Eu e Jack) e fez a oferta. Jack achou que o acordo era muito dispendioso e ele estava mais interessado no projeto de computador da nossa própria empresa, o Atari ST.”

Quando do lançamento internacional, uma das grandes perguntas que se tinha era no caso do porquê a necessidade das travas regionaisKatz admitiu que a SoA não tinha controle algum sobre o projeto americano – e tão pouco europeu – e todas as decisões vinham, novamente, do Japão. E a resposta era simples, eles queriam impedir que os jogos fossem importados porque já havia todo um plano de lançamento para cada região. Sendo que isto não deu muito certo com o passar do tempo.

Você sabia que Tetris do Mega Drive é um dos jogos mais raros e que algum tempo atrás foi vendido por US$ 1.000.000,00?

As importações dos jogos do Mega Drive não causaram maiores problemas nas vendas internacionais, mesmo porque os títulos japoneses tinham um grande empecilho para o público comum que eram os textos na língua nipônica. O Mega Drive foi o sistema mais bem sucedido da SEGA. De acordo com os números estima-se que o console tenha vendido entre trinta a trinta e cinco milhões de unidades, onde apenas 10% foram vendidos no Japão.

A empresa estava mirando, realmente, para vender a sua grande máquina de 16bit pelo resto do planeta e, assim, conseguir a supremacia num mercado que crescia a cada ano. SoJ requereu que a SoA e seus empregados entoassem todos os dias a palavra japonesa “HYAKUMANDAI” (em português seria as palavras um milhão), para encorajar as vendas.

Power Base Converter, addon criado para o primeiro modelo do Mega Drive rodar títulos do Master System.

Só que o braço japonesa da empresa se esquecera que havia uma Nintendo dominando o mercado americano e que a SoA teria de convencer aos revendedores de embarcar nesta jornada, sem contar um bom número de títulos para convencer as pessoas a comprarem o sistema novo.

Desta forma eles chegaram em surpreendentes quinhentas mil unidades vendidas no primeiro ano, pois para uma empresa que vinha de uma desastrosa campanha que foi o Master System, foi algo extremamente bom, de acordo com Michael Katz.

Em breve continuaremos com a terceira parte. Aguardem. Enquanto isto, chegaram a ler a primeira parte da História do Mega Drive? Confiram! E aqui vocês podem conferir a parte III!