Início Artigos Trilhas Sonor...

Trilhas Sonoras que ficam na nossa cabeça…

312
4
COMPARTILHAR
Trilhas Sonoras

Trilhas Sonoras.

Um tema recorrente em sites gamers em todo o planeta, onde, de uma forma ou de outra, tenta-se minimizar em poucas opções aquelas músicas que, ao serem ouvidas, ficam na nossa mente pelo resto de nossas vidas. A Comunidade Mega Drive não fará algo muito diferente disto, trazendo alguns jogos que merecem ter a sua trilha sonora ouvida e conhecida!

Para mostrarmos um pouco acerca deste console que, muitas vezes, o pessoal compara erroneamente dizendo que o mesmo não tem a mesma qualidade sonora que o Super Nintendo, vamos antes usar um excerto do site Memória Bit, que fez um excelente comparativo entre o som do Mega Drive e do Super Nintendo, segue abaixo:

Missões diferentes

O Mega Drive usava a modulação de frequência para produzir aqueles timbres peculiares e imitar instrumentos da melhor maneira possível. Por suas características, pode-se dizer que ele tinha seu próprio instrumento, um sintetizador. Essa arquitetura era padrão quando ele foi desenhado, inclusive nos arcades e computadores; o som daquela geração soava daquele jeito e não poderia ser muito diferente pelo modo como os hardwares de áudio eram desenhados.

Já o Super Nintendo usa a abordagem da wavetable (tabela de ondas), um tipo de “arquivo de sons”. As amostras desse arquivo compactado são descompactadas e moldadas para ter máxima semelhança com o som desejado. Como toda a geração é baseada nessas amostras arquivadas, o SNES não tem um sintetizador, ele não cria sons, só manipula.

O resultado? Som do Mega mais claro e “estridente”, especialmente em trilhas rápidas e com batidas fortes. Os graves são distintos e agudos brilham ao ouvido, aquele típico som de videogame a que o senso comum remete. Faixas similares no SNES soam abafadas e sem vida, como se o auto-falante estivesse sufocado por um travesseiro, porque é preciso filtrar as amostras para evitar ruído após a descompressão.

Por outro lado, temas orquestrais, suaves ou imponentes, com múltiplos instrumentos e maior fidelidade aos sons “reais”, são insuperáveis no console da Nintendo. Casavam perfeitamente com a grande biblioteca de RPGs, que abusam desse tipo de faixa para cenários de fantasia. O SNES se afastou da busca pelo “som de videogame” na direção do “som real”.

Um bom exemplo é Rock & Roll Racing: faixas abaixo de sofríveis no Mega Drive e excelentes no SNES. Embora o programador de áudio tenha sido Tim Follin (e o irmão Geoff), considerado mestre em tirar o máximo de hardwares e um dos gênios do chiptune graças a trilhas fantásticas no NES, não dava pra competir com o ponto forte do SNES. Mesmo soando tão MIDI-genéricas, era covardia querer que suas amostras fossem menos fiéis às guitarras e baixos das músicas originais. No sintetizador do Mega, as músicas sangram ouvidos de tão agudas e ruins.

É inegável também que o som do Mega Drive tem mais personalidade. É quase impossível ouvir uma trilha dele ou remixada com aqueles packs de áudio, e não reconhecer os timbres quase de imediato. O som “eletrônico” (ou seria elétrico?) caiu como uma luva para a reprodução da experiência do arcade em casa; o modelo base YM2608 foi usado em vários entre o fim dos anos 80 e início dos 90. Outros consoles já tinham brincado com FM (como o Master japonês no console, e o Famicom com chip no cartucho), mas o Mega levou essa brincadeira a outro nível.

Embora surpreendentemente legal no remoto 1991, as músicas medianas do SNES soam como MIDIs ordinários, que com exceção de faixas clássicas ou bem conhecidas, passam despercebidas. Quando tentavam criar trilhas mais vibrantes, como em shmups e games de ação (veja o exemplo de Thunder Spirits mais abaixo), o resultado era lamentável, o MIDI broxava tudo, sem falar do velho problema do áudio abafado.

Grande parte disso por culpa das limitadas opções de amostra. A Nintendo reduzia bastante a liberdade de trabalho dos desenvolvedores (veja no final). O SNES deitava e rolava quando precisava de fidelidade ao mundo real, com flautas, guitarras, baixos… Daí os magistrais temas de RPGs e faixas cheias de efeitos, como os ecos e ambientações de Donkey Kong Country. Sem falar das vozes.

Fonte: O SOM DO MEGA DRIVE É MELHOR QUE DO SNES (ÀS VEZES)

Então, estas são as diferenças básicas entre o Super Nintendo e o Mega Drive, dependendo do estilo de música, um saia melhor que o outro, por conseguinte, criticar por criticar um ou outro console se torna bem difícil.

Agora vamos aqui ouvir algumas trilhas sonoras bem memoráveis para o Mega Drive? Só uma ressalva importante, a numeração em ordem decrescente é meramente de cunho organizacional.

15 -El Viento – High Sky

Um jogo de aventura bem interessante criado pela Wolf Team, onde, na sua trilha sonora o som mais marcante é alguém tentando matar uma barata, mas brincadeiras a parte, esta música da sétima fase deste admirável título mostra como o pessoal da Wolf Team conseguia trabalhar bem com o som estéreo e os vários instrumentos sintetizados que o Yamaha tinha a oferecer.

14 – Alisia Dragoon – Stage 1-1

Este jogo, logo de cara, já tem uma das músicas mais memoráveis do Mega Drive. O seu estilo colocando o jogador no universo de Alisia é algo ímpar. A cadência das três partes na música não a deixa tão repetitiva apesar de que a melodia ser basicamente a mesma nas três partes.

13 – Adventures of Batman and Robin – Two Faces’ Theme

Um dos grandes exemplos de como se dá para extrair coisas extraordinárias no Yamaha do Mega Drive é, sem sombra de dúvida, este jogo. Ainda por cima quando o seu compositor é Jesper Kyd. Uma trilha que mistura uma variação interessante de techno e industrial e isto no “fraquíssimo” Mega Drive.

12 – Two Crude Dudes – The Lifeline of New York

Um daqueles jogos que veio direto do arcade e que, se você teve sorte, apareceu numa locadora bem perto de você. A sua trilha sonora ficou a par da versão original e ela também mostra bem a força do Mega Drive numa versão bem fidedigna.

11 – Columns – Clothos

Esta trilha simplesmente faz você viajar de uma forma nunca vista antes. A sintetização da música é tamanha que dá para ver um teclado Yamaha na sua frente tocando a mesma música. Uma belíssima composição que fica na cabeça da pessoa por muito, mas muito tempo mesmo.

10 – Sparkster – Stage 3

Sparkster é a continuação de Rocket Knight Adventures, um título criado pela Konami e, assim como muitos outros que ela, por ventura, veio a lançar para o Mega Drive, conseguiu trazer a sua habilidade de criar ótimas trilhas também para o sistema 16 bits da SEGA.

9 – Gleylancer – Asteroid Field

Um jogo de navinha que, quase sem exceção, traz uma trilha sonora assombrosa. Um grande trabalho feito pela NCS Corp e que ficou na cabeça dos fãs deste estilo por muitos anos a fio.

8 – Road Rash III – Italy

O som desta pista em pista em particular parece um tanto quanto “suja”, mas existe aí uma sonoridade ímpar que tenta fazer uma mescla do estilo de música italiana com um rock bem pesado e, como dito, “sujo”.

7 – Tiny Toons – Inside The Cave

Após passar pela campina, pela floresta, o jogador chega na caverna deste jogo que parece até, num primeiro momento, um título bem genérico ao estilo Sonic, mas apesar do Perninha correr tanto quanto o Sonic, as semelhanças acabam por aí, onde, num mapa progressivo – e um pouco de exploração – o jogador vai enfrentando dos mais diversos perigos no mundo dos Tiny Toons.

6 – Ecco: The Tides of Time – Title Theme

O primeiro jogo desta série já tem uma trilha sonora fantástica, mas este jogo ainda consegue ser melhor, onde toda a temática parece nos colocar num universo muito diferente daquilo que estamos acostumados, em mares nunca antes explorados e onde o tempo e o espaço se moldam numa viagem jamais feita por nenhum ser vivo. Se você é um daqueles que gosta de trilhas sonoras diferenciadas, a série Ecco é uma boa pedida.

5 – Herzog Zwei – There is no Time To Loose

Mais um jogo de navinha para a lista, mas este é diferente pessoal, a navinha se transforma em mecha! Vale a pena uma boa conferida neste título bem interessante.

4 – Mickey Mania – The Wharf

A trilha sonora deste jogo, como um todo, consegue usar a força do Yamaha soberbamente. Vide, por exemplo, a da primeira fase do título, onde trabalha bem com os instrumentos sintetizados se rendendo puramente a eles.

3 – Thunder Force III – Gorgon

Uma das músicas mais potentes de toda a série, Gorgon de Thunder Force III, mostra a que veio numa fase relativamente difícil e que deixa bem antenado com a temática escolhida pela Techno Soft para esta fase. As trilhas sonoras de toda a série para o Mega Drive vale a pena ser conferida, de cabo a rabo.

2 – Alien³ – Stage 5

Para mim Alien³ é um daqueles jogos meio obscuros que deveriam ser melhor apreciados. Uma ótima jogatina, desafio médio para elevado, gráficos bem condizentes para o Mega Drive e uma trilha sonora – e efeitos sonoros – acima da média do console. O jogo não tem nada a ver com o filme anonimo, pois acaba misturando os cenários do terceiro filme com a temática de “guerra” do segundo filme, mas, ainda assim, é um jogo que precisa ser bem apreciado. Assim como umas das melhores trilhas sonoras já feitas para o sistema.

1 – Contra: Hard Corps – The Hard Corps

Um das trilhas sonoras mais SONORAS que existem no Mega Drive com uma boa diversidade de temas, onde já na sua primeira música já mostra a que veio para o console da SEGA.


E para vocês, quais foram as trilhas sonoras mais marcantes que vieram a ser tocadas pelo Yamaha 2612. Não se esquecendo que estas trilhas sonoras que aqui escolhemos é apenas uma pequeníssima parte de um todo que este console tem a oferecer.

  • Bem que você poderia criar um enquete pra uvir da comunidade qual jogo cada um gostaria de ver incluso numa lista de melhores trilhas orquestradas pro chip YAMAHA no Mega. Eu incluiria Dune: Battle for Arrakis

    • danielgfm

      Uma boa ideia.

  • Diego Borges

    Excelente lista… MAS faltou a faixa Starlight Zone do primeieo jogo Sonic…

  • Roberto Melo

    Devil’s Crash, Sol Deace, só pra começar