Início Sistemas Mega Drive Crack Down

Crack Down

17
0
COMPARTILHAR

Historia

No início do século 21, um “Sistema de Vida Artificial” foi criado. Um líder maligno orienta-os em sua missão para conquistar o mundo. O Governo Federal emitiu uma ordem para os seus dois melhores agentes do Serviço Especial (Ben Breaker e Andy Attacker). Sua missão é destruir as instalações inimigas usando um novo tipo de bomba-relógio.

Os dois agente invadirão fabricas, laboratórios e cidades tomadas por esse sistema bio-mecânico e se utilizando de bombas-relógio, as plantaram em posições estratégicas de forma a aniquilar cada instalação dessa nova ordem mundial. E deverão fazer em um tempo escasso já que as bombas detonaram mesmo que eles ainda estejam escapando desses lugares.

Esse é um jogo que suporta 1 ou 2 players (Action Shoot-em-up) é exibido através de uma tela dividida visando os cenários por cima, dando a impressão do jogador estar num pequeno labirinto. O jogo foi inovador permitindo que 2 jogadores trabalham-se individualmente ou em equipe. A contagem regressiva e temporizadores aumentam a tensão durante o jogo. As bombas-relógio devem ser colocados em áreas marcadas com um ‘X’, enquanto metralhadoras e canhões podem ser recarregados por encontrar power-ups de munição que aparecem em cada nível. Se ficar sem munição, os jogadores devem executar socos e chutes para vencer os oponentes.

Gráficos

O jogo está abaixo da media se comparado ao fliperama. Esse jogo poderia ser considerado pior que muitos jogos. A SEGA tentou emplacar um jogo de grande sucesso nos ARCADES, porém, deixou de fora vários detalhes. A tela de apresentação do jogo não possui as mesmas animações em sua versão caseira. Fora que os mapas do jogos eram feios e lembravam jogos de 8-bits.

crack down
Mapas feios e gráficos sem vida, tentativa de repetir o sucesso nos consoles foi por água abaixo

 

Os detalhes dos inimigos não são mostrados no final de cada estagio e sim na tela a direita quando não havia um segundo jogador jogando. Os sinais de perigo que estão nos telhados e ainda estão no idioma japonês, mesmo nas versões Euro. A placa que você tem que atirar para baixo, a fim de fazer um caminho para a saída mostra uma imagem de Playdoc, enquanto no arcade tinha Prayboy. A censura, talvez?

Som

A musica do jogo não era toda ruim, trazia elementos semelhantes a musicas dos filmes a la “JAMES BOND” e esse era realmente o clima do jogo, mais os efeitos eram bem simples e repetitivos, tornando o jogo massante. A ação era frenética e isso combinava com a trilha. Curtam um pequeno gameplay do jogo e verifiquem por si mesmos como o áudio ajudava esse jogo a ficar melhor:

Isso era algo que salvava o jogo, mais nem tanto, efeitos repetitivos tornavam o game redundante demais

Jogabilidade

O jogo até divertia, porém muitos elementos estavam faltando em relação ao ARCADE. O jogo só possuía um tipo de super bomba que limpava a tela quando ela estava abarrotada de inimigos. Era possível sentir em alguns momentos aquele famoso “LAG” ou melhor dizendo uma desaceleração em alguns momentos o que dificultava ainda mais a vida do jogador.

crack down
O jogo não era de todo ruim, mais muitas características negativas eram facilmente encontrados nesse titulo

Controle

Isso foi algo que a SEGA conseguiu com maestria, o jogo respondia bem aos comandos e o jogador podia se movimentar como um verdadeiro espião. Se esgueirando por paredes e chegando pela lateral dos inimigos e aplicando golpes fatais. Os comandos eram simples e o sistema de arma também. Mais alguns pequenos detalhes ficaram de fora, na versão ARCADE quando os personagens usavam a bazuca era possível vê-la por cima dos ombros dos agentes, na versão Mega Drive isso não acontecia.

crack down
Reparem na grande diferença entre as versões, havia muito mais detalhes na versão ARCADE

Replay

O jogo é razoável e até vale a pena ser jogado mais de uma vez, mais recomendo que todos joguem a versão ARCADE, garanto que talvez vocês nunca mais queiram jogar novamente a versão caseira o que é uma pena, com um pouco mais de trabalho teríamos um jogo clássico para Mega Drive e teriamos fãs desse game até hoje.

crack down
Reparem na grande diferença entre as versões, havia muito mais detalhes na versão ARCADE

Curiosidades

Uma imagem do Flyer do System 24 da SEGA:

crack down

Há uma referência ao jogo de arcade “Shinobi”: o som ‘Hiyaaa’ que Ben e Andy fazem após detonar uma superbomba é o mesmo som que o som da magia de Shinobi. Além disso, 2 das 4 superbombs também aparecem em Shinobi. Olhe bem de perto, a bomba eletricity e o redemoinho com bomba foices homing podem ser encontradas nos ARCADE´s.

No final do ato cena 2-2, existe uma máquina que produz faíscas eléctricas. Em cima da máquina pode ser lido: “s-4635 system24″. Esta é uma referência para a placa de arcade, na qual esse jogo rodava.

Serie de jogos:

Crack Down (1989)

Crack Down (2007, novo jogo feito para o Xbox 360)

Saiu para:

Consoles

Sega Mega Drive (1990)

Nintendo Wii (2007, “Virtual Console” – versão MegaDrive)

Xbox 360 (2007)

Computadores

Amstrad CPC (1990)
Commodore C64 (1990)
Sinclair ZX Spectrum (1990)
Commodore Amiga (1990)
Atari ST (1990)
PC [MS-DOS, 5.25”] (1990)

Por Celso Affini